terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Zumbilândia

por Katchiannya Cunha e Lucita "Hellsing" Nascimento





Quando em 1932, a Universal, em seu ciclo clássico de filmes de terror, lançou White Zombie, estrelado por Bela Lugosi, provalmente não imaginou que décadas depois o gênero mortos-vivos se tornaria tão “pop”quanto é nos dias de hoje.

Embora White Zombie não tenha tido, ao longo dos anos, uma repercurssão tão grande quanto Drácula, Frankstein ou O Lobisomem (refilmado recentemente e estrelado por Benício Del Toro), seu papel como pioneiro no gênero zumbis não pode nem deve ser esquecido.

Contudo, a caracterização desses desmortos mais arraigada no imaginário popular se deve aos filmes realizados por George Romero nos anos 60.

Foi a partir de A Noite dos Mortos Vivos (1968) que os zumbis se tornaram efetivamente ícones pop, resultando na criação de obras geniais (e outras nem tanto) que vão desde filmes como Extermínio (2002), quadrinhos como Os Mortos Vivos (HQM), livros como Guia de Sobrevivência a Zumbis(Ed.Rocco) ou jogos como Resident Evil e Left 4 Dead.

Zumbilândia é o herdeiro direto desse coquetel cultural envolvendoos comedores de cérebros. Contudo,assim como Todo Mundo Quase Morto (2004), possui os pés fincados na vertente humorística.

Nada é mais humano e revigorante do que rir da desgraça alheia! E por quê não rir da própria desgraça? Essa é a premissa de Zumbilândia.

A história não é nenhuma novidade: o mundo cai em um apocalipse zumbi, obrigando os poucos remanescentes ainda humanos a lutarem por sua sobrevivência seguindo suas próprias regras. Regras essas, seguidas à risca pelo protagonista Columbus (Jesse Eisenberg). Lembrem-se: em uma epidemia de zumbis os primeiros a morrerem serão os gordinhos, por isso, condicionamento físico é a regra número 1 para sobrevivência.

A história é narrada do ponto de vista do protagonista, que em suas desventuras se junta a outros três sobreviventes - Tallahassee (Woody Harrelson), e as irmãs Emma Stone (Wichita) e Abigail Breslin (Little Rock)- nada confiáveis em sua jornada. O filme relembra sempre as regras criadas por Columbus para analisar as ações dos personagens.

A abertura do filme é um espetáculo à parte, mostrando cenas em slowmotion em que pessoas fogem de zumbis em diversas situações enquanto esbarram nos créditos. Uma delas faz referência à James Bond, onde um homem com terno branco está atirando com uma metralhadora enquanto um zumbi se aproxima logo atrás.

A grande sacada de Zumbilândia foi captar o melhor de cada um dos seus “antecessores”.

Apesar dos aspectos cômicos do filme, os zumbis continuam seres assustadoramente asquereosos e nojentos tal como os seres putrefatos concebidos por Romero. De Extermínio foi preservada a idéia de mortos vivos ágeis e menos estúpidos que a caracterização usual. Algumas sequências têm o frenesi dos videogames
A cenas de ação são muito bem feitas e nesse aspecto quem rouba a cena é Woody Harrelson que faz o estereotipado caipira linha dura, mas que no final das contas tem um bom coração.

Contudo, grande parte do charme de Zumbilândia vem da química entre os personagens/atores, que conseguem convencer como a “família” formada a contragosto – pelo menos no começo – devido ao cataclisma zumbi.

Destaque também para a participação de Bill Murray, interpretando ele mesmo, inclusive com seus arrependimentos.

Zumbilândia consegue agregar em si elementos aparentemente excludentes e paradoxais: terror, comédia, ação, clima de filme B e estrutura de blockbuster, o que acabou por torná-lo um merecido sucesso de bilheteria.

OBS.: Espere até depois dos créditos, pois há uma cena extra.



Título original: Zombieland
Duração: 80 minutos (1 hora e 20 minutos)
Gênero: Terror
Direção: James L. Frachon
Roteiro:James L. Frachon, Guy Giraud
Ano: 2010

ELENCO: Jesse Eisenberg (Columbus),Woody Harrelson (Tallahassee) ,Emma Stone (Wichita), Abigail Breslin (Little Rock),
Amber Heard (406),Bill Murray (Himself)



E para quem se interessa por Zumbis, recomendo alguns textos do Coruja:

Os zumbis dominarão o mundo

Para ler: Orgulho & Preconceito... e zumbis

Zumbis: fazendo a autópsia - Parte I

Zumbis: fazendo a autópsia - Parte II

Zumbis: fazendo a autópsia - Parte III

Zumbis: fazendo a autópsia - Parte IV